Voltas-te.



A corrente nunca quebra. E os dias vão assim passando, voláteis e aparentemente rápidos. No entanto, eu sinto o teu aproximar. Finges leveza nos passos mas é com velocidade e certeza que caminhas. E eu sinto-te, uma vez mais.
Um punhado de anos antes deixaste uma marca de tudo menos simpatia ou justiça. Hoje quero acreditar que o fizeste para que eu crescesse e remendasse cedo aquela manta de retalhos costurados de imperfeições mas com dedicação. Os meus olhos nunca mais viram as mesmas paisagens, nunca da mesma forma. Foi uma questão de hábito ver através de tantos tons quanto a minha imaginação consegue pintar. E, mesmo assim, aparecem sempre cores novas...
Agora, agora as paisagens mudaram o ser e o ser mudou-se a si próprio. Ainda assim, há traços que se mantêm, e é aí que melhor me encontro. É aí que nem cores nem tons nem tu me conseguem transformar. Eu sou muito pouco, mas o pouco que sou, sou de verdade. 
Aprendi muito. Acima de tudo, aprendi que não pudemos mudar o curso de um rio. Mas que podemos navegar nele de várias formas. Que, sem mais metáforas, embora nem sempre tenhamos aquilo que queremos ou merecemos, sempre conseguiremos achar alegria naquilo que fazemos. Desde que assim o queiramos. 
Hoje voltas-te. E ficarás por uns dias. Mas eu, eu ficarei para sempre. Num lugar incerto que contrastará sempre com um sorriso aberto para te mostrar que não te esqueci. Que conheço o teu poder, a tua força. Que o respeito e que até o desejo muito. Não como o olhas mas como eu o quero ver. 
E, mais do que tudo, eu saberei o teu nome quando me perguntarem porque não raras vezes desisti ou redundei em falhanço. Depois de me desculpar por lhes acrescentar frustração, saber nomear-te sem arte, dura e cruamente, como o foste para mim. Reencontrarei o teu olhar e desdobro a sentença: agora eu sorrirei mais.
Voltas-te, mudança

4 comentários:

Cirisley Steinberg disse...

bela inspiração, me lembrou aqueles momentos q tu anda na sua cidade natal apos muitos anos, todos ja crescidos e derrepente vc depara com aquela garota do passado que vc era apaixonado, e a mesma permanece igualmente bela, mas com filhos e uma nova vida, sua estoria passa como filme ate imagina q aquelas crianças poderiam ser suas, mas tudo é uma metafora, vc então passa diante dela e somente um sorriso pelo canto do lábio nenhuma fala. Apenas pensamentos entorpecidos.

Sofia disse...

Gostei muito do texto :)

E a música é algo de *.*

Beijinho*

Anjo De Cor disse...

Adorei o texto ;) escreves lindamente...
Bjs*

Michelle disse...

As pessoas vão, mas um dis, voltam sempre. Ninguém escapa ;)