Brainstorming 2008: Politica

2008 foi um ano que seguiu a tradição e o legado de outros tantos anos na cena política: agitado, controverso e negro. 2008 não foi um ano de resolução de problemas antigos, antes um ano de persistência e até de ressurgimento dos mesmos. Os conflitos localizados à escala global persistem e tendem a agravar-se em harmonia com os efeitos de uma crise económica que se julgava presa noutros tempos. Crise essa que é o maior legado, de resto, do ano que se despede. Sem esquecer os mediáticos dossiers do Médio Oriente, China, Iraque e Aquecimento Global, a que se juntam os tradicionais de Cuba e Venezuela e os forçosamente esquecidos da Birmânia e África.
As eleições norte americanas, a queda das bolsas das economias mundiais, o recente retorno às ofensivas militares no Médio Oriente são os acontecimentos mais marcantes do ano no plano político. As figuras de 2008, no plano político Internacional, são figuras cruzadas com estes temas...



Figura Política do ano:




Qualquer outra escolha estaria desfasada daquilo que realmente aconteceu na política internacional no decorrer de 2008. Carismático, óptimo orador, inteligente, destemido, democrata e negro. Foram estas as características que o fizeram sinónimo de ventos de mudança nos EUA e no mundo. O título é-lhe tão certeiro e a sua exposição mediática foi tal que Barack Obama não precisa de mais explicações para a minha escolha.


Menções Honrosas: Hilary Clinton, Durão Barroso, Henry Paulson.



Má Figura Política do ano:

Mais retrograda entre os Republicanos não devia haver. Mas McCain elegeu-a como sua candidata à vice-presidência, provavelmente numa tentativa de sedução do voto feminino perdido depois da derrota de Hillary Clinton nas primárias.
A Senadora do Alasca é mãe de cinco filhos, contra o aborto, contra a educação sexual nas escolas, contra os casamentos gay, a favor da pena de morte, a favor do uso de armas e muito amiga do ambiente: caçar alces é o seu desporto favorito e pretende aumentar as perfurações no Alasca, incluindo na reserva natural.
Gastou milhares de dólares dos fundos da campanha em roupa e quando confrontada com a possibilidade da derrota de McCain ter tido a ajuda da sua (má) influência, diminuiu as eleições americanas a um jogo...

Menções honrosas: Hugo Chávez, Bernard Madoff.

8 comentários:

Alguém disse...

Má figura mesmo, a desta senhora ;-)Se bem que as gafes foram engraçadas ihih

Rita disse...

Então Feliz Ano para tiiii :)

XS disse...

Quem escreve bem, escreve bem e pronto! No dia em que te cansares de escrever coma tua doçura natural, podes sempre virar-te para o jornalismo. A aposta, mais uma vez, será ganha!
Beijinhos e bom ano!

PS: as tuas palavras valem ouro.

S.M. disse...

Credo, má onda mesmo, esta energúmena. Apetece-me, dizer como o outro: "E não se pode extreminá-la(s)?"
Anyway , havemos de sobreviver.
FELIZ 2009 para o profíquo autor deste blogue e para tod@s @s que o visitam.
Beijinhos e abraços ( sirvam-se à vontade :))

Precious disse...

ai eu já não gostava dela por causa da questão do aborto e da educaçao sexual mas não sabia que a senhora era tão retrogada!
quanto ao Obama, trouxe esperança a todos nós não foi? já por isso vale o título com que o nomeaste :D


**


p.s: quando comentei o teu post sobre musica não reparei neste :/

Anônimo disse...

Oh my...o meu primo é talvez ( vá lá, com certeza!) o jovem mais culto que conheço.
Quem me dera ser um bocadinho de tudo o que representas :)

Love U*

Paulo disse...

este é o post dos antípodas, da esperança e da mete-nojo. só espero que a senhora congele no Alasca!

Jessica Smith disse...

Oh Deus, a Sarah Palin é um aborto da Natureza! São nojentas amostras de pessoa como esta que mancham a imagem das mulheres. Mas o que se poderia esperar de uma Miss?!

A Falhada