Reencontrar Florbela e Carmem

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar!  Amar!  E não amar ninguém!

Recordar?  Esquecer?  Indiferente!...
Prender ou desprender?  É mal?  É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada
Que me saiba perder para me encontrar... 
Florbela Espanca, "Amar!"



Ouvi-o recitado faz dias por Carmem Dolores num dos programas da manhã. Não fosse saber-se o quão difícil a vida dessa senhora tem contrastado com o seu belo e ternurento sorriso, a sua voz segura e de quente entoação e dizer que "o zapping tem coisas maravilhosas" ganharia todo um mais fiel sentido...


p.s.:Será sempre esta a vida que a arte e a cultura reservam aos seus seguidores neste país?



p.p.s: segue-se um poema...

3 comentários:

pinguim disse...

Falar de Florbela, da excelência da sua poesia e da excentricidade da sua vida, é mais ou menos natural e frequente.
Já quanto a Carmem Dolores, é raro ouvir-se falar dela; e é pena pois é uma grande Senhora, quer como declamadora, quer como actriz e quer como Mulher.
Obrigado por teres reparado um pouco essa lacuna.

mfc disse...

Um poema que não cansa nunca!

Anônimo disse...

thanks for the interesting information