Saturday Night Sessions with... "Why not now"

II

1) Acreditas em Deus? Ou apenas no destino?
Em ambos. No meu mundo não há razões para que ambos não possam coexistir. Talvez porque o meu Deus não tem religião. Ou talvez porque o meu destino não é tão fatal. Para mim, vivemos num caminho em que cada passo implica escolhas e cada escolha determinará o passo seguinte. Aquilo que sentimos ao longo dessa caminhada são, em grande parte, frutos do deliberar de cada um. E, no entretanto, Deus vai vendo tudo, ouvindo tudo e sentindo tudo. Nos momentos maus, consoante a nossa conduta, apaziguará ou não a dor ao mesmo tempo que testará a nossa gratidão. No meu mundo, o meu destino foi escrito por mim e o meu Deus deixo-me vive-lo para no fim me perguntar se fui ou não feliz com o que escolhi e me revelar algumas verdades... Depois? Vive-se de novo, para se saber se aprendi qualquer coisa...

2) Qual é o peso da sexualidade na tua vida e de que forma te posicionas perante ela?
A minha sexualidade não é um peso na minha vida. E acreditem que não minto quando digo que dificilmente alguma vez o terá sido. É lógico que isso me presenteou com preconceitos, exclusão, estigmas, invisibilidade e até alguns traços de inveja, rancor e ódio. Mas muito, muito para além disso, o estar no lado de fora premiou-me com uma visão muito peculiar sob os outros, sob a sociedade. Mais: estar desse lado e conseguir tudo o que já consegui, pouco ou muito que seja, deu-me um amor próprio e um humanismo muito grandes. E, para isso, uma vida por vezes não basta...

3) Preferes ter um amante ou um@ amig@?
Depende muito da pessoa em questão. Uma mão já não chega para contar o número de pessoas cuja amizade para mim é uma frustração. Umas pela própria amizade que vão dando, outras por ambição minha, por querer algo diferente. E o engraçado é que o inverso também não é mentira: já tive amantes (muito poucos!) tão maus que os trocaria por uma qualquer amizade.

4) Sendo eventualmente homossexual, como reagirias se fosses apontado publicamente como tal?
Esta é uma daquelas situações em que só se deve pronunciar quem por elas já passou. Daí que eu tenha alguma liberdade para o fazer. Não vou fingir que não custou, que não foi cruel ou que não me causou embaraço e até alguma vergonha. Mas sempre que aconteceu, escolhi sempre não lutar contra a ignorância e a estupidez quando nenhuma de ambas abre qualquer espaço a diálogo. Preferi responder-lhes da melhor forma possível: ignorei. Sou solitário por opção. E nunca tive necessidade de me afirmar gay ou de me colar a estereótipos mas também nunca me escondi porque sempre, sempre quis que o amor me encontrasse. Simplesmente acho que a orientação sexual de cada um é um pouco como o talento: só não está nos olhos de quem não quer ver. Gosto de pensar em mim como um mistério que gosta de ser desvendado mas que também terá sempre algo de único para nunca cair em vazio...


Pergunta cinzenta: Pesa-te pensar na morte? Como a encaras?

No próximo: Anjo de Cor

7 comentários:

pinguim disse...

Espero não ter sido demasiado chato com as questões que te levantei.
Claro que gostei muito do teu equilíbrio nas respostas; mostras ser uma pessoa bastante ponderada.
Obrigado.
Abraço.

André disse...

A ultima está mais do que bem respondida. Mais do que bem!

PS - Surpreendido por gostares de Janet Jackson (já que poucos conhecem =P)

Astrid disse...

Olá. Obrigada pela visita e pelo comentário. Estou a seguir teu blog.

Beijos, flores e estrelas *****

Anjo De Cor disse...

Boas respostas ;) és acima de tudo uma pessoa ponderada o caminho vai-se fazendo com o dia a dia, certezas absolutas ninguém pode ter ....
Gostei bastante e já que sou a proxima preguntadeira ;)
Bjs*

MaR disse...

Respostas directas e assertivas, sem falsas modéstias ou preocupações com "o que os outros" pensam. Igual a ti mesmo, assim te queremos sempre :)
Pelo menos a mim enches-me de ORGULHO e felicidade por ter a sorte de ser tua prima.
***

Luis Baptista disse...

Respostas cheias de personalidade e inteligência.

(obrigado ainda pelas palavras que me vais deixando)

LP disse...

Gostei das perguntas directas e das respostas sinceras.

E o tal "humanismo" seria uma das palavras que escolheria para te definir.

Beijinhos