Dreamgirl

Já todos tivemos o prazer de vermos momentos mortos serem inesperada e subitamente abrilhantados por algo ou alguém. São momentos especiais que a memória condena ao aprisionamento por tempo indeterminado. No entanto, antes que dessa prisão reste uma cela vazia, resolvi falar-vos sobre Jennifer Hudson, protagonista de um desses momentos de rápida metamorfose.
Tive o prazer de a encontrar casualmente num zapping pelo Youtube. Feliz casualidade: Hudson arrebatou-me com uma interpretação mágica de "And I am telling you". Daí à adoração foi um mero passo...
Jennifer tem uma imagem artistica (já) muito bem delineada. A sua voz balança entre a subtileza de Whitney Houston, a convicção e entrega de Jennifer Holliday e a mestria interpretativa de Aretha Franklin, guardando no entanto alguma distinctividade. Raramente fugindo ao característico reportório R&B, Hudson foi eliminada na semi-final da terceira temporada do American Idol (2004) mas quatro anos volvidos já conta com um currículo apreciável onde se inclui um Óscar, um Globo de Ouro e um Grammy.
E não se pense que este talento tem uma história hipócrita de Cinderela. Para além do desaire no American Idol, Hudson enfrentou algo muito pior: o assassinato da mãe e do irmão em 2008, pouco tempo antes do lançamento do seu primeiro álbum. Hudson não baixou os braços...
No entanto, tudo isto passam a notas de rodapé quando ouvimos algo como o que se segue. Uma escolha meramente pessoal que suplica pela descoberta ou recordação principalmente do tema já mencionado...


4 comentários:

PEDRO PINA disse...

fazes-lhe uma comparação á Whitney...k ela nao se perca como a grd whitney se perdeu.... ;(

sidnei disse...

Honestidade e talento verdadeiro são sinônimos de Jennifer Hudson!

pinguim disse...

Ela é mesmo assombrosa; tenho que ver o filme em que ela ganhou o Óscar...

najla disse...

Adorei a tua escolha. Obrigada pela partilha!
Magnifica voz, sem dúvida.

Um beijo