Ultimamente...



"Íamos nós no Rossio, já de regresso a casa, eu impante como se conduzisse pelos ares, atado a um cordel, o mundo inteiro, quando, de repente, ouvi que alguém se ria nas minhas costas. Olhei e vi. O balão esvaziara-se, tinha vindo a arrastá-lo pelo chão sem me dar conta, era uma coisa suja, enrugada e informe, e dois homens que vinham atrás riam-se e apontavam com o dedo, a mim, naquela ocasião o mais ridículo dos especimens humanos. Nem sequer chorei. Deixei cair o cordel, agarrei-me ao braço da minha mãe como se fosse uma tábua de salvação e continuei a andar. Aquela coisa suja, enrugada e informe era mesmo o mundo."
"As Pequenas Memórias" - José Saramago


É incrível a capacidade de, com palavras simples, construir a genialidade. A partir destas frases, a minha imagem sobre Saramago mudou. Tal como mudaram também algumas visões que tinha sobre variadíssimos temas. Mudaram-se porque se abriram a um painel mais vasto, porque se desinibiram e abraçaram um horizonte mais amplo. Mas, impressões pessoais há parte, passemos ao que interessa pois que todo este texto pretende ser como o foi a passagem textual acima: um inusitado presente...
Os últimos tempos foram de grandes desfechos e grandes mudanças. Dizer que houve uma certa "perda da inocência" não será menos verdade, embora a expressão não deva entendida de forma dramática. Comecemos por onde a pausa se ficou: o concurso. Lembram-se dele? Infelizmente, eu também... Aquilo que me parecia ser seriedade era tudo marketing. Na final ganhou quem enchia a casa e se dava com o patronato. E se quanto à primeira classificada (um bela voz... de piano e sem emoção) a dúvida ganha alguma consistência, quanto ao restante pódio a certeza grita: poupem-me dos saques... Fiquem em quarto mas fui o melhor e só não encontro "peace of mind" pela mentira da classificação. Mas, enfim, inocentes foram os que acreditaram em contos de fadas onde os bons ganham sempre. De qualquer forma, correu bem e gostei do que fiz. O próximo concurso? Daqui a muito tempo...
Quanto ao tal trabalho, também está a correr tudo bem. Ainda há muito para aprender e temo bem que sempre haverá. Mas só pelo desafio, já vale qualquer coisa lá estar. Para além disso, há um grupo de trabalho a ganhar cada vez mais coesão e cooperação. Mais: era deste espairecer que eu precisava, depois das vicissitudes da vida académica, que adorava. Serviu-me para, ao som do ecoar das palavras já referidas e de músicas habituais, começar a recriar uma filosofia de vida dos escombros de uma outra. Menos brilhante e sensível, por certo. Mas mais verdadeira, pelo menos. Estou a gostar, "its no lie"!
Pelo meio disto tudo, saiu o bloque sacrificado. Mas recupero a falha porque, a julgar pelo numero de visitas e seguidores, ainda vale a pena. Obrigado pela dedicação e carinho. E fiquem a saber que há mais posts na calha. Até lá, fica a imagem de marca:
Stay Well*



8 comentários:

ลndreia disse...

As simples coisas são portadoras de inocência perdida por nós. *

XS disse...

A isto chama-se crecer, com otudo o que de bom e mau isso possa acarretar. Tenho a certeza que os teus princípios se mantiveram inalteráveis. Estou descansada.

Um beijinho enorme com saudades tuas :)

Anjo De Cor disse...

Fico contente com as novidades, estas a evoluir a cada dia que passa ;)
Beijinhos e cá espero novo post, não te esqueças que cá te esperamos...

_Malinha viajante disse...

Nunca mais vi o menino lá pelo meu estaminé e tb tem andado (muito) ausente aqui do blog!!;P
bjs

Sofia disse...

O importante é nunca desistir :) Saber sempre ver as coisas de cabeça erguida e nunca vacilar por injustiças que nos transcendem, mesmo que nos revolte imenso! *

Isa disse...

Tou a ver que não sou a única "ausentada" lol :P

Sempre um gosto passar por aqui *

Anônimo disse...

Realmente gosto do design gráfico e de navegação do site, fácil sobre os olhos e bom conteúdo. outros sites são apenas demasiado transbordando com propagandas

Anônimo disse...

Eu só queria fazer um breve comentário para dizer que eu estou feliz por ter encontrado o seu blog. Graças