Promessas cumpridas



Das cinzas da nossa memória
Não rompe inspiração.
São páginas de uma história
que arderam sem compaixão.

Na sombra das tuas verdades
Vi a face da mentira.
Não me deixas saudades
Apenas uma réstia de ira.

Indiferente é o quão perto estejas
Pois haverá sempre uma distância suficiente
Para negar tudo o que almejas.

Importante é o quão perto estejas
Para me lembrar com prazer
O quão bom te é esquecer.

As cinzas da nossa história
Arderam no fogo da minha felicidade.
O meu amor próprio foi vitória,
Grito de liberdade.



12 comentários:

precious disse...

o poema esta mesmo bonito! e em relação à musica.. ai adorooo! :D


beijinho**

im disse...

Uma coisa que nunca compreendi foi a falta de amor próprio que algumas pessoas demonstram...provoca-me tristeza!

Parabéns pelo bonito poema.

beijos

S.M. disse...

Olá! Obrigada pela visita e pelos comentários. Diferentes poentos de vista só nos enriquecem e as grandes frases de Oscar Wilde são, normalmente, grandes provocações ;)
Quanto ao Paulo e ao Zé já sou fã deles há um tempo ( e tenho o privilégio de os conhecer pessoalmente) e não podia subscrever mais o post que me indicas.
Gostei muito do teu poema. Fica bem, com a tua sensibilidade e a tua dignidade. Beijinh@s

The girl in the bubble disse...

adoro o poema! mesmo! é da tua autoria? Beijo*

Maria Clarinda disse...

(...)Indiferente é o quão perto estejas
Pois haverá sempre uma distância suficiente
Para negar tudo o que almejas.


Lindo este teu poema, foi bom amanhecer lendo-o.
Jinhos mil

Anjo De Cor disse...

Adorei o teu poema e a música tb, excelente ;)
E é verdade como é complexo esse sentimento que passa de "amor" para "ira" já passei por algo mais ou menos assim há alguns anos e ainda bem que me livrei da pessoa e do sentimento é destruidor...
Bjs e estou a seguir-te ;)

Rita disse...

Tens mesmo jeito para escrever, sinceramente! Continua :) *gosto muito de cá vir!

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Pelos vistos conseguiste mesmo vencer :) espero que sim!

Beijo meu ♥,

A Elite

nuvem disse...

Um poema em forma de grito, de renascimento.

Depois do fogo, as cinzas e depois destas... A serenidade da paz.

Lita disse...

Obrigada pelos comentários, parabéns - muitos - pela excelente escrita.

Vou continuar a passar por aqui...

Ci disse...

Parabéns,mt bom mm!=)

Tiago Reis disse...

Muito bom mesmo! :D Os meus parabéns por este fantástico poema ;)